Seminário “Onde estão as mulheres Arquitetas?” questiona reconhecimento profissional – CAU/SP

Portal da Transparência

Notícias

Seminário “Onde estão as mulheres Arquitetas?” questiona reconhecimento profissional

Publicação

18.05.2017

Categorias:

Escrito por:

Redação CAU/SP

Compartilhar

Seminário “Onde estão as mulheres Arquitetas?” questiona reconhecimento profissional

[imagebrowser id=115]

A reflexão sobre a presença e a relevância feminina no campo da Arquitetura e Urbanismo, tanto nas questões de produção acadêmica e do ensino, quanto no planejamento arquitetônico e urbanístico dirigido à vida da mulher na sociedade.

Este foi o foco do Seminário Internacional “Onde estão as mulheres Arquitetas?”, que abriu os trabalhos no último 16, no Centro Cultural São Paulo, na capital, e que reuniu professores e alunos de diversas universidades e profissionais de destaque nos âmbitos nacional e internacional.

O evento, que contou com o patrocínio do CAU/SP, –no âmbito do Edital de Parcerias de 2016– encerra neste dia 19.

Mapeamento da atuação da mulher

O presidente do CAU/SP, Gilberto Belleza, falou sobre a importância do evento e mencionou o censo realizado pelo CAU/BR em 2012, no qual foi identificada uma crescente proporção de mulheres atuando na profissão.

“O mapeamento é importantíssimo para que conheçamos o presente e o futuro da profissão, nesse âmbito, o presente evento contribuirá muito para identificarmos como e onde as arquitetas estão atuando”, disse.

Reconhecimento

Neste primeiro dia do seminário, as palestrantes debateram o reconhecimento da atuação da mulher no campo da Arquitetura e Urbanismo.

A profª Drª Ana Paula Koury, da Universidade São Judas Tadeu, lembrou da importância do trabalho de Mayumi Watanabe de Souza Lima, que apesar de grande atuação política e profissional, não tem registros fotográficos ou de suas obras disponíveis na internet.

A Profª Drª Maribel Aliaga, da UnB, lembrou que o movimento feminista dentro da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo desta instituição é bastante forte, mostrando os números de alunos regulares desde 1966.

Maribel apontou o crescimento de alunas a partir de 1975 e uma virada que se deu no ano de 1982, quando o percentual de mulheres chegou a 66%.

“É muito importante lembrar a luta feminista e política das alunas de Arquitetura e Urbanismo da UnB, que tem 3 linhas de atuação: as rodas de conversa, a biblioteca feminista e o mapeamento de egressas da universidade, com os números apresentados aqui de 1966 a 2016”, concluiu.

Ana Paula Koury expôs as mudanças nos espaços destinados às mulheres nas casas quando elas passaram a ocupar o mercado de trabalho.

“O princípio da visibilidade das mulheres se deu não apenas ocupando o mercado de trabalho, como projetando espaços e fazendo parte do imaginário de arquitetos, que começaram a pensar na presença feminina em seus planos de edificações e urbanismo”.

Mulheres na construção de Brasília

A professora Tânia Fontenelle, doutoranda em história cultural, memórias e identidades pela UnB, apresentou um extrato de dez minutos do seu filme “Poeira & Batom”, sobre as vidas de 50 mulheres durante a construção de Brasília.

“É certo que havia poucas mulheres durante o nascimento de Brasília, mas elas estavam lá, e a partir desse mote, iniciou-se o trabalho de estudar e garimpar a história e a contribuição dessas mulheres na construção da capital brasileira”, relatou.

Publicado em 18/05/2017
Da Redação

Publicação

18.05.2017

Escrito por:

Redação CAU/SP

Categorias:

Compartilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
15.04.2024

Como participar dos editais de Fomento do CAU/SP?

capa fomentos.3

Os Editais de Fomento consolidando as parcerias entre CAU/SP e a sociedade civil.

Como contratar um arquiteto?

É recomendável contratar um profissional da Arquitetura e Urbanismo considerando três aspectos: combinando as regras; levantando as necessidades e como o arquiteto e urbanista trabalha.

Contrate um arquiteto! Conheça 12 passos que você deve saber antes de construir ou reformar.

Pular para o conteúdo