CAU/BR apresenta posicionamento ao Ministério da Economia sobre licenciamento – CAU/SP

Portal da Transparência

Notícias

CAU/BR apresenta posicionamento ao Ministério da Economia sobre licenciamento

Publicação

19.04.2021

Categorias:

Escrito por:

Redação CAU/SP

Compartilhar

CAU/BR apresenta posicionamento ao Ministério da Economia sobre licenciamento

Teleconferencia
Reunião CPP, CPUA e Comitê de Discussão da Resolução 64.

Como membro do Grupo de Trabalho constituído pelo Ministério da Economia para colaborar com a revisão da Resolução CGSIM nº64, o CAU Brasil participou de reunião por videoconferência, no dia 06/04, com a Secretaria de Advocacia da Concorrência e Competitividade (SEAE).

A Resolução, publicada em 11/12/2020, trata do Licenciamento Urbanístico Integrado e foi revogada em 8 de março após críticas apresentadas por diversas instituições, entre elas o CAU Brasil, para possibilitar debate com a sociedade e sua revisão.

O posicionamento apresentado pelo CAU Brasil na reunião,  em resposta a Ofício Circular do ME, seguiu, em vários pontos, o documento The World Bank – Doing Business do Banco Mundial, mesma base adotada pela SEAE para elaborar a resolução, cujo objetivo é a melhoria do ranking do ambiente de negócios no Brasil.

A Resolução CGSIM nº64 previa a adoção do licenciamento declaratório para obras de baixo risco, procedimento com o qual o CAU Brasil concorda desde que redefinidos os critérios de avaliação para baixo, médio e alto risco.

A norma propunha também a terceirização do processo de licenciamento, com transferência de responsabilidades ao setor privado, mas o CAU Brasil constatou não haver nenhuma recomendação nesse sentido no documento do Banco Mundial.

O próprio Banco Mundial diz que compete ao Município a análise dos projetos.  Para o CAU Brasil, este assunto merece uma ampla discussão para evitar a criação de um nicho de mercado com transferência de burocracia do público para o privado.

O CAU Brasil entende ainda que simplificação do processo de licenciamento não pode ocorrer sem a participação no processo de profissional legalmente habilitado, arquiteto e urbanista ou engenheiro.

O documento do Banco Mundial diz ser essa a exigência mínima para a qualidade e segurança da edificação.

Entre outros aspectos, o CAU Brasil defendeu também junto à SEAE a criminalização do exercício ilegal da profissão de arquiteto, na própria resolução ou em norma específica, ressaltando a necessidade do registro de responsabilidade técnica das obras.

Na reunião de 6 de abril, o CAU Brasil foi representado pelas arquitetas e urbanistas Ana Cristina Lima Barreiros da Silva (RO), coordenadora da Comissão de Política Profissional, e Alice da Silva Rodrigues Rosas (PA), coordenadora-adjunta da Comissão de Política Urbana e Ambiental, que levaram para o GT considerações construídas em conjunto com membros do Comitê do CAU/BR de Discussão da Resolução CGSIM nº  64. Fazem parte do Comitê, entre outros, os conselheiros Nilton de Lima Júnior (GO),  Rubens Fernando Pereira de Camillo (MS) e Rogério Markiewicz (DF, suplente), especialistas em licenciamento urbanístico.

Pela SEAE, participou do encontro do dia 6 seu titular, Geanluca Lorenzon. Fazem parte ainda do GT: IAB,  CONFEA,  CREA-DF, CBIC, SEBRAE, CNM, Conselho Nacional dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (LIGABOM) e Corpo de Bombeiros de SP e MG, entre outros.

Na videoconferência foi constatado que as considerações do CAU Brasil e dos CREA RS, SC e PR são convergentes em vários pontos.

Na reunião do dia 6 de abril,  a SEAE estabeleceu um calendário para a discussão do assunto. Foi dado prazo até dia 9 de abril para as instituições se manifestarem por escrito, o que foi cumprido pelo CAU Brasil.

A SEAE entregou no dia 13 de abril uma nova minuta da Resolução, a partir das contribuições recebidas, para que os participantes do GT tenham oportunidade de manifestação até o dia 23 de abril. Na condição de órgão colegiado, o CAU Brasil solicitou, no entanto, extensão desse prazo, para garantir a participação dos CAU UFs na análise do tema.

Publicado em 19/04/2021
Fonte: CAU/BR

Publicação

19.04.2021

Escrito por:

Redação CAU/SP

Categorias:

Compartilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
28.02.2024

Como participar dos editais de Fomento do CAU/SP?

capa fomentos.3

Os Editais de Fomento consolidando as parcerias entre CAU/SP e a sociedade civil.

Como contratar um arquiteto?

É recomendável contratar um profissional da Arquitetura e Urbanismo considerando três aspectos: combinando as regras; levantando as necessidades e como o arquiteto e urbanista trabalha.

Contrate um arquiteto! Conheça 12 passos que você deve saber antes de construir ou reformar.

Pular para o conteúdo